0

Qualidade ideal de água para Carpas

10/09/2018

 

A água é uma substância muito notável e suas extraordinárias propriedades estão diretamente relacionadas com a saúde dos peixes. 

 

O corpo de um peixe é composto por cerca de 80% de água, por isso qualquer mudança no ambiente dos lagos, por mínima que seja, têm uma influência direta e instantânea sobre a vida desses animais.

 

Contudo, devemos considerar que o lago possui uma dinâmica natural: durante o curso de 24 horas de um dia, cada fator que influencia o lago sofre uma variação cíclica e pode ser comparado com a mudança das estações da terra. 

 

Um sistema de lago possui um biorritmo de vida que os peixes se adaptaram durante sua evolução. Em qualquer espaço de tempo, a medição de um ou mais parâmetros de água pode ser diferente quando comparada com outra medida tomada em um momento diferente do dia ou do ano.

Esse entendimento é importante porque, às vezes, podemos criar problemas que não estão ocorrendo de fato por avaliar os parâmetros isoladamente. 

 

Uma única leitura com um kit de teste apresentará uma visão incompleta do que está realmente acontecendo em seu lago e você poderá fazer ajustes inadequados e incorretos nesses parâmetros, o que pode acabar comprometendo o ambiente dos peixes. É importante ressaltar que um suporte técnico como a contratação de manutenção do lago é de extrema importância para avaliar a dinâmica natura, isso vai garantir a durabilidade do equilíbrio no micro habitat, a partir da compreensão das mudanças diárias e anuais que fazem parte desse ciclo. 

 

Esse é o primeiro fator a ser considerado quando objetivamos manter nossas Kois saudáveis. Temos que garantir que elas serão mantidas em ambiente de excelente qualidade. Para que isso seja possível, devemos: 

 

-Monitorar os parâmetros de água regularmente; 

-Respeitar a capacidade de suporte do nosso lago e 

-Realizar regularmente a manutenção do lago.

 

Sinais de que a água não está boa

 

Em geral, os problemas que encontramos em lagos estão relacionados com a filtragem ineficaz, que provoca baixa biodegradação dos resíduos orgânicos, excesso de amônia e nitrito e, consequentemente intoxicação, além da mudança do comportamento dos peixes.

 

De toda forma, os parâmetros hídricos ideais para as carpas já estão bem definidos, vide tabela a seguir: 

 

 

Fonte: Data from Saint-Erne N. Water quality in the koi pond. In: Advanced koi care. Glendale (AZ): erne Enterprises; 2002.p.108.

 

 

A importância do monitoramento desses parâmetros é para que nossas kois não tenham seu sistema imunológico prejudicado pela água, que pode se tornar responsável por estresse dos peixes, fazendo com que fiquem mais suscetíveis a contrair infecções parasitárias ou até mesmo se intoxicarem pela própria água.

 

Dentre todos os parâmetros apresentados, cada um tem uma especificidade e um grau de importância. A temperatura, o oxigênio dissolvido, o pH e os compostos nitrogenados são os mais críticos.

 

 

Temperatura

 

A temperatura oscila diariamente (1 a 3ºC/24h), e tende a ser mais baixa um pouco antes do amanhecer. 

 

Os fatores que influenciam a temperatura de seu lago são: 

- a intensidade dos raios solares; 

- a velocidade dos ventos;

- a profundidade do lago que pode propiciar que ocorra separação no ambiente.

 

De uma forma geral, as Kois não podem ser submetidas a temperaturas mais baixas que 5ºC. 

O ideal é que as mudanças na temperatura do lago sejam sempre graduais, a fim de não causar estresse nas kois, porém, sabemos que não há como controlar o clima, e que em algumas regiões a temperatura do lago pode cair em um dia de 10 a 15 ⁰C devido à queda na temperatura atmosférica. Isso pode diminuir a resistência das kois, o que as deixa vulneráveis a contrair infecções parasitárias. 

 

 

Oxigênio

 

O oxigênio é um elemento fundamental à vida de todos os seres vivos e para as kois não é diferente: esse parâmetro de água é o mais importante no lago. 

Além da injeção de oxigênio na coluna de água, a forma natural de o oxigênio passar para a água do lago é através da interação da superfície do lago com a atmosfera. Isso é possível quebrando a tensão superficial da água por meio de recursos que colocamos em nossos lagos: 

 

-seu próprio design, que é importante também para a circulação da água e a filtragem; 

-cachoeiras; 

-desníveis; 

-curvas e 

-aparelhos.

 

O oxigênio só sofre alterações diárias quando o lago não tem um bom sistema de filtragem e apresenta produtividade primária, como a água verde, essa variação é bem maior e associada à grande quantidade de peixes no lago pode provocar mortalidade por falta de oxigênio.

No verão o cuidado com oxigênio deve ser redobrado: com o aumento da temperatura, aumenta também o metabolismo de todos os organismos e, consequentemente, a atividade respiratória. Além disso, a solubilidade do oxigênio diminui, tornando-o mais propício a "sair" da água.

Para que não tenha problemas, é importante a instalação de um sistema de qualidade e que garanta a produção de oxigênio.

 

pH

 

A faixa em que o pH deve ser mantido no lago de Kois varia entre 7 - 8. No entanto, não devemos permitir que a flutuação dentro dessa faixa seja grande ou súbita. 

Em lagos com a produtividade alta é normal que o ph fique mais baixo pela manhã em comparação ao final da tarde. Para fazer a medição do pH é necessário um teste específico. 

 

Compostos nitrogenados 

 

O último parâmetro a ser comentado são os compostos nitrogenados, principalmente amônia e nitrato. Esses parâmetros estão relacionados com material orgânico em suspensão, são extremamente tóxicos e podem provocar graves problemas no lago.

Para evitar que problemas relacionados a esses compostos ocorram com as carpas, como regra geral elas devem ser alimentadas com uma quantidade que não dure mais do que cinco minutos no lago, duas vezes ao dia. Assim, evitamos que compostos prejudiciais que aumentariam os níveis de amônia sejam gerados - o que intoxicaria as carpas. 

É necessário que o filtro do lago possua substrato para o desenvolvimento de bactérias Nitrosomonas e Nitrobactérias, que vão transformando a amônia em compostos menos tóxicos.

De toda forma, a amônia encontrada na água está geralmente sob a forma não-ionizada tóxica (NH3), ou na forma não tóxica ionizada (NH4+). A grande diferença entre essas duas formas é que o NH3 passa por osmose pela brânquia para a corrente sanguínea, enquanto o NH4 + é incapaz de fazê-lo. A relação entre os dois compostos depende da temperatura, pressão, salinidade e, mais importante, pH.

À medida que o pH aumenta, a proporção de amônia tóxica sobe em relação à não tóxica. Por isso, devemos tomar cuidado quando realizamos a leitura de amônia total, pois representa ambas as formas de amônia combinadas. A medição de amônia total de 3,0 ppm seria mortal em um pH de 8,5 em um lago de água doce, mas relativamente inofensivo em um pH de 6,0. Para saber esses valores é necessário utilizar um kit de teste de amônia.

É comum a pergunta: "Até que ponto os níveis de amônia devem ser considerados perigosos?" A melhor resposta é:

 

Qualquer amônia detectável em um lago é um indicador de deficiência na filtragem.

 

Ou o filtro é inadequado para o tanque, ou a carga biológica é muito grande para o filtro. Um nível de amônia elevado combinado com um pH baixo pode manter os peixes vivos, mas o problema de amônia em si precisa ser combatido.

O nitrito é um composto intermediário no ciclo do nitrogênio e é convertido em nitrato por um filtro biológico saudável. 

Em um lago de água doce, concentrações superiores a 1,0 ppm provavelmente serão prejudiciais aos peixes e assim como acontece com os vertebrados terrestres, ocorrerá a formação de metemoglobina no sangue dos peixes, o que resulta em comprometimento respiratório. Peixes afetados mostram sinais de privação de oxigênio por meio do aumento do movimento opercular.

Já o nitrato é o composto de nitrogênio final no ciclo de nitrogênio. Embora historicamente considerado não-tóxico, novas evidências sugerem que a elevação de nitrato crônica pode propiciar estresse nos peixes. 

Para evitar esse problema podem ser usadas plantas nos lagos, ou a realização de trocas parciais de água, a fim de reestabelecer esses valores.

 

Sabendo de todos esses detalhes, você pode ter certeza que em um lago que recebe a visita regular de um técnico especializado, é possível diagnosticar esses problemas, que podem muitas vezes estar relacionados a fatores dificilmente perceptíveis aos hobbystas: fontes de água que contenham substâncias nocivas como resultado da contaminação, além de pesticidas usados no jardim, pedras tóxicas, encanação com elementos tóxicos, sabões, aflatoxinas das rações, e até medicamentos usados de forma incorreta.

 

 

Agora que você já sabe como manter um ambiente ideal e sempre saudável para suas kois, você pode incluir novas moradoras. 

Share on Facebook